Lírica III
Ilda Reis
Gravura
39 x 30 cm 
1981
Anterior
1 (13)
Seguinte
Ilda Reis
Gravura
 
«Conheço excelentes artistas que dando muito à gravura não lhe dão porém tudo. Há neles como zonas reservadas que a gravura não força ou a que  ela não responde; não será assim porque às exigências que lhe peçam a gravura se segue, mas, principalmente, porque em certas circunstâncias só o alterar da expressão abre tais mundos reservados e rompe os espaços para invenção. Outros artistas há, poucos que  também conheço, em que a gravura tem acesso a toda a grandeza de alma. O que há para fazer e mostrar de si mesmos passa-se unicamente naquele retalho de pedra, polidíssima, marfinada e, à sua maneira, macia; na chapa de metal que os buris retraçam e as línguas de fogo dos mordentes corroem até à perfuração; na peça de madeira, retalhada, veios à vista como nervos e sangue.
Para tais artistas é nestes materiais de muita e antiga nobreza oficinal que se engendra e vasa a criação. Depois, o papel vai buscar neles o que dela fica; nessa verónica sem cruz, porém misteriosíssima e sagrada na sempre repetida e ao mesmo tempo desconhecida surpresa: a desejada aparição.
ILDA REIS é um desses artistas poucos. Desde que a conheço, a admiro e somos amigos, nunca uma gravura sua deixou de me mostrar a profundidade dessas marcas de alma. Nunca nenhuma alguma vez deixou de ter esse empenho que exterioriza e interioriza essa força incontível que é por um lado o esforço e jeito do braço, exactamente, é, por outro, a força do espírito que é outra força ainda maior. Não existe arte da gravura possível sem o concerto destas duas forças de que o papel, a prova, nem sempre testemunha a dimensão reconhecível. Este aspecto, esta espécie de rosto do trabalho, reconhece-se, está reflectido, nas gravuras de ILDA REIS quase como se por ele se determinasse a morfologia que as distingue das outras. (...) Um grande balanço da obra está feito desde o seu começo para que seja possível, viável ou ainda desejável ver-se onde principia o que, agora, parece modificar-se. E, se assim for, depois do grande fogo e da cinza negra renasce sempre, na tradição do mito, alguma coisa, alguma coisa se anuncia, então.»
Fernando Azevedo
Relacionados
Ilda Reis
2012
Joanna Latka
Desenho
Gravura
Ilda Reis
2012
Joanna Latka
Gravura
Desenho
Gravura: Técnicas de Água-forte e Água-tinta
Video de apresentação das técnicas de Gravura Água-forte e Água-tinta
com a gravadora Joanna Latka, realizado por Luís Pereira.